Telhados de Vidro nº22

20.00 

de vários,

TELHADOS DE VIDRO n.º 22
com capa de Rui Chafes
Lisboa
Averno, 2017

Categorias: , Etiqueta:

Descrição

RELIGIÃO

‘If I were called in
to construct a religion
I should make use of water’
– Philip Larkin

Inaugurar uma religião:
adorar os pontos em que se formam
as estações do ano
os gestos de desnudar-se
o dia depois da chuva
a distância: entre uma árvore e outra árvore,
entre cidades com o mesmo nome
em diferentes continentes.
Criar relíquias:
os táxis ao entardecer, as colheres
brilhando ao sol
esboços de mãos e pés
de pintores antigos
as presas ensanguentadas
que nos trazem os gatos.
E ainda outras, íntimas, insensatas
a luz nos seus cabelos
as fotografias de parentes
que não sabemos quem são.
Adotar novas bíblias:
longos romances inacabados
palavras lidas sobre os ombros
de alguém no metrô
poemas clássicos traduzidos
por tradutores automáticos.
Reconhecer enfim o divórcio
como um sacramento.
Na liturgia
tocar como partituras
os mapas das cidades.
E no Natal
só celebrar o que nasce
do sexo
para morrer
de fato.

– Ana Martins Marques
in TELHADOS DE VIDRO n.º 22, com capa de Rui Chafes, Lisboa, Averno, 2017

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Telhados de Vidro nº22”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.