Irrar

13.00 

de Salette Tavares,

Edição Tigre de Papel
2019

Descrição

Podemos considerar Irrar como um longo poema concreto em prosa. Mas trata-se também de uma narrativa que acompanha a errância/«irrância» infindável da narradora-«pueta» pelas paisagens concretas e mentais duma Lisboa de todos os tempos. A morte, omnipresente através da personagem da tia cancerosa, abre o espaço e o tempo para uma eternidade filosófico-poética mediante a meditação e a visão.

O leitor é convidado a «irrar» também pela língua portuguesa, dando irros que desafiam qualquer reforma ortográfica. A voz da poeta rebela-se contra a norma, conferindo um tom irónico e humorístico à sua narração «hilariante», à sua «brincadeira».

A língua inventada por Salette Tavares em Irrar abunda em efeitos de oralidade, a par com referências sábias. Sendo um texto experimental, Irrar promove um humanismo feito de encontros, de atenção aos outros, de cuidados, é dizer de amor.

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Irrar”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.