Tratado de Funambulismo

14.00 

de Philippe Petit,

Tradução de Paola d’Agostino e Luís San Payo
118 páginas
Vasco Santos Editor

Descrição

Eis um livro de conselhos para aqueles que ousarão um dia o impossível: caminhar seguros céu adentro e atingir as estrelas. Ele mostra a arte de preencher e iluminar o Vazio, um vazio que se estende entre duas torres, duas orlas de uma ravina, dois planetas, ou o espaço entre o coração e o espírito. Um fio liga aquilo que teria ficado para sempre separado na solidão. «Hei! Tem cuidado!», disse-me um dia um velho índio da floresta virgem da Amazónia, quando toquei num cabo de aço que estava demasiado tenso, «não faças mal ao cabo, a sua alma é tenra». Um cabo canta, transpira, eructa e antes de se quebrar geme, sofrendo; ao tocá-lo pode-se ouvir o seu pranto. Quando finalmente se rompe exala um fumo, as filaças incandescentes inflamam-se de cólera. Sei do que falo, já icei um barco montanha acima: sei que neste livro tudo é verídico. Eis um livro sobre o medo e a solidão, um livro sobre o sonho e a poesia, sobre as alturas cruéis e as nobres audácias, sobre o equilíbrio majestoso e a imobilidade de um outro mundo, sobre a queda e a morte. Ele evoca um êxtase que dormita no âmago de cada um de nós, um estado interior magnífico que é como um clarão escondido. Eu presto-te homenagem, Philippe, Homem Frágil do Arame, Imperador do Ar. Como Fitzcarraldo, és incomparavelmente raro e prodigioso: um Conquistador do Inútil. E inclino-me perante ti com o mais profundo respeito.

Werner Herzog

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Tratado de Funambulismo”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.