A Balada do Velho Marinheiro

12.80 

de S. T. Coleridge

edição bilingue, tradução e nota final de Alberto Pimenta.
Ilustrações a partir de cinco das gravuras de Gustave Doré para a edição de 1876 do poema.
Desenho gráfico de Rui Miguel Ribeiro
Saguão 01, 2017
72 páginas, 500 exemplares

Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Longo poema em sete partes de Coleridge, dos mais lidos e estudados, é cuidadosamente traduzido por Alberto Pimenta em septassílabos, por vezes desdobrados em dois com uma pausa a separá-los. As notas laterais do autor constituem comentário compassado, segunda voz ao ritmo da primeira.

A tradução reinventa a cadência e a rima do poema, num respeito raro pela escrita poética numa língua tão diversa do português.

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “A Balada do Velho Marinheiro”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.